Monumento Natural Estadual Gruna da Tarimba – Primeiros passos

Texto: Ricardo Martinelli & Heros Lobo  /  Mapas: UPE & GREGO /  Ilustrações: Rubens Hardt

Desde o início das explorações em Mambaí, sabia-se da importância espeleológica, geológica e biológica do sistema Dores – Tarimba – Pasto de Vacas. O esforço conjunto dos grupos GREGO – Grupo Espeleológico Goiano e UPE – União Paulista de Espeleologia resultou em vários quilômetros de galerias e salões mapeados (só no sistema Tarimba são mais de 14 km) e muitas cavernas descobertas e cadastradas desde 2007.tarimba

Figura 1: Mapa topográfico da Gruna da Tarimba

Durante a expedição de 2011, por entender que a atual modalidade de proteção não é suficiente para preservar a caverna, surgiu a ideia de realizar um diagnóstico ambiental do sistema, que atualmente encontra-se dentro da APA Nascente do Rio Vermelho. Pegando carona em edital aberto pela Fundação Grupo Boticário de Proteção a Natureza, apresentamos o projeto colocando a SBE como proponente, associando os parceiros União Paulista de Espeleologia (UPE), Grupo Espeleológico Goiano (GREGO), Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Laboratório de Estudos Subterrâneos (LES) e Grupo de Pesquisa DemandaTur, aumentando assim a robustez do pleito. Em setembro de 2012  conseguimos a aprovação para um exercício de 12 meses e executamos todo o planejamento com equipes de topografia, geologia, biologia, uso e ocupação do solo e turismo, culminando na elaboração e aprovação do relatório final em 2013 dentro dos prazos estabelecidos.

Após analisar os resultados, além do excelente trabalho de todas as equipes de campo e burocráticas, destacam-se dois fatos que, sem nenhuma margem a erro, deixam claro a necessidade do reenquadramento do nível de proteção do Sistema Dores-Tarimba-Pasto de Vacas; um é que a caverna esta entre as 10 maiores do Brasil, atualmente com 11.250 metros de projeção horizontal e o outro fato foi, além da constatação de uma fauna riquíssima, a descoberta de uma nova espécie de peixe (bagre) cujo nome homenageia a Fundação Grupo Boticário, o Ituglanis boticario.

ituglanis

Foto 1: Ituglanis boticario (Pedro Pereira Rizzato)

Após o sucesso da empreitada, o caminho a ser seguido para nós parecia óbvio e certo: enviar uma proposta de criação de Unidade de Conservação de caráter integral para o ICMbio, até pelo fato de o órgão federal ter como meta, de acordo com o Programa Nacional de Conservação do Patrimônio Espeleológico (Portaria MMA 358/2009) que prevê a “Criação de 30 Unidades de Conservação Federais com o objetivo de proteger cavidades naturais subterrâneas de significativa importância ecológica e cênica”. Infelizmente após o envio da proposta e para nossa grande surpresa, recebemos a resposta que na região a APA já conferia a proteção necessária ao sistema, “puro devaneio”, sabemos e constatamos na prática que isto não acontece.

lina-15

Foto 2: Vegetação em um trecho acima da Tarimba (Ricardo Martinelli)

Em 2015, durante o 33º Congresso Brasileiro de Espeleologia de Eldorado, foram apresentados vários trabalhos relacionados ao Sistema Tarimba, expondo para a comunidade espeleológica e científica tudo o que foi feito em relação ao diagnóstico ambiental, a parceria com a Fundação Grupo Boticário e os levantamentos topográficos. Ao final do congresso, durante a Assembléia geral da SBE foi aprovada uma “Moção de Apoio” a criação da Unidade de Conservação.

Cientes da recusa dos órgãos federais e pouco otimistas com o possível desfecho, fomos surpreendidos, após intervenção de alguns atores do projeto, com a boa vontade do Estado de Goiás na criação da tão esperada UC, até pelo interesse e o bom relacionamento da Fundação Grupo Boticário com os órgão ambientais daquele estado e com a preocupação na proteção do Ituglanis boticario.

poligono2

Figura 2: Polígono sugerido para criação do MONA Gruna da Tarimba

Dando andamento aos tramites, no dia 13 de outubro foi realizada uma reunião na SEMARH – Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos de Goiás, com o Superintendente de Unidades de Conservação, o Sr. José Leopoldo e sua equipe, o Sr. Eric Rezende e o Sr. Caio onde a troca de informações foi intensa e os pensamentos foram alinhados no sentido de caminhar para a abertura do processo de criação da UC.

Durante a reunião, a proposta de criação para o MONA Estadual Gruna da Tarimba foi feita pelos membros presentes do projeto (Heros Lobo e Ricardo Martinelli), de uma forma espontânea e com contribuições de todos os participantes. O Sr. José Leopoldo salientou que será necessário ainda um detalhamento dos estudos, sob os seguintes enfoques:

a) Fundiário; b) Ajuste do polígono proposto; c) Eventuais estudos ainda não realizados que constem na Resolução Estadual sobre a criação de UCs.

O Sr. Eric Rezende ressaltou a necessidade de o Estado dar início ao processo, reforçando assim a proposta e oferecer o endosso necessário para novos estudos.

Após mais de duas horas de reunião saímos satisfeitos e muito otimistas, agora aguardamos ansiosos a abertura do processo de criação do MONA.

Matadero

Foto 3: Outras cavernas, como a recém descoberta Gruta do Matadero, estão no polígono proposto para a criação do MONA Estadual Gruna da Tarimba.

Para maiores detalhes do diagnóstico ambiental e da proposta do polígono de proteção, acesse o link abaixo:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s