Volta às cavernas 2017

Texto: Nivaldo. |  Edição: Paulo Jolkesky. |  Fotos: Paulo Jolkesky e Ricardo Martinelli

Ouvimos que é sempre bom começar com o pé direito em tudo, e a UPE abraçou à risca o dito popular e estreou 2017, com uma saída de prospecção para a região do vale do rio Temimina, no Núcleo Caboclos/Petar, no mês de março.

A família UPE também faz valer o conceito de celebração em conjunto, e para a definição do calendário e objetivos do primeiro semestre de 2017, nos reunimos na toca do Hobbit, para contar e relembrar boas histórias, traçar o planejamento do ano e definir, ansiosamente, a primeira saída. Portanto, com a agenda deliberada, nos organizamos para por em prática o combinado.

Além de matar a saudade do cheiro do mato, do ambiente deslumbrante de caverna e do desenvolvimento das atividades em equipe com muito humor e companheirismo, sempre com oportunidades de aprendizado multidisciplinar proporcionado pela pluralidade das áreas de conhecimento e de experiência dos diversos participantes, a UPE abriu a temporada objetivando o despertar do interesse dos novatos no grupo e na espeleologia e acordar os mais velhos e desvanecidos membros, oferecendo a chance da integração confortável e livre de pressão. Ops!, escapou.

cave PAJ-2-2

O despertar na mata atlântica já eleva o espirito e potencializa a energia positiva ao rever os amigos e companheiros de trilhas e cavernas logo ao raiar do dia, que embora chuvoso estava animador pela expectativa da caminhada e pelo aroma do café fresquinho. Segue-se com a preparação geral dos equipamentos e lanches para dar início a caminhada até a caverna e as prospecções previstas. E como a beleza rustica e primária da floresta que circunda Caboclos encanta e motiva a cada árvore, cipós, flores, borboletas, pássaros e tudo de bom que a natureza proporciona, durante o trajeto até a trilha nos remete ao sentimento de um sonhado mundo puro e cativante.

Ah, a trilha; e como é bom trilhar na Mata Atlântica, que é rica e única, tão cativante que agarrou o Tio Chico s pela orelha em um de seus espinheiros que o fez sair com a orelha pronta para receber um piercing, e dá-lhe trabalho para o Lorde desenroscar o rapaz daquela arapuca.

Caverna Janelão - Minas Gerais - Vale do PeruaçuA chuva caía solta, constante, e encontrar a gruta “Furo da Agulha” para alguns registros tornou-se atividade difícil e com potencial para sifonamento, e devido ao risco, o grupo seguiu para a Temimina 2. O primeiro visual da caverna já faz valer a pena todo o esforço e preparação, pois, a paisagem fascinante do Jardim Suspenso já poderia te manter aprisionado por ali pelo restante do dia. Contudo há mais  para se ver, então, após a primeira sessão de fotografias espetaculares, o grupo desceu para caverna, que, entre nós, é uma das maravilhas da região. Do ambiente externo, da entrada e interior, a Temimina merece destaque, que foi majestosamente registrada pelas lentes dos nobres fotógrafos!

cave PAJ-4-2As atividades estenderam para a noite, que é o modo usual UPE de exploração, principalmente por conta das inúmeras tentativas de acertar as danadas das luzes e flashes, das explorações dos recantos já mapeados pela UPE, e depois de várias travessias do rio e trilha de retorno, voltamos para o aconchego da casa de pesquisa. O Paulo voltou quase descalço, pé direito sem a bota cuja sola voltou no bolso da mochila. Na natureza, deixamos as pegadas, não as solas. Uma caminhada tranquila e ainda com alguma chuva noite adentro pela floresta e chegamos, finalmente, com mais algumas histórias. É a hora de curtir o banho tipo geladeira de Caboclos, que desta vez, estava incrivelmente bom e relaxante. Nada como uma água gelada para relaxar a musculatura.

Pegando onda na alimentação sustentável e saudável, o nosso Master Chef oficial da vez, o Tio Chico, preparou um verdadeiro jantar gourmetizado cum um delicioso macarrão Barilla ao fungui seco chileno, com porções ultra reduzidas, naqueles patos que deveriam ser gigantescos (a parte do tamanho do prato era só vontade e fome), que sem dúvida favoreceu a redução lipídica dos mais rechonchudos. Altos papos, conversas e planos são discutidos e compartilhados em alto e descontraído nível regrado a bons vinhos (bons mesmo, uma atípica saída sem macarrão lamen e vinho barato) antes do último e relaxante pernoite, e a gente dorme que nem bebê, e como é bom!

As saídas da UPE são assim, as partes boas começam e são infinitas, desde a organização, a preparação do café e dos lanches de trilha, dos trabalhos na caverna, até a despedida com o coração feliz e partido por ter passado tão rápido. E que já faz parte do portfólio das boas e ricas histórias que levaremos para a toda a vida. A resposta do já novo membro, o Yuri, foi positiva e aguardamos a sua contribuição para o desenvolvimento dos próximos trabalhos.

cave PAJ-1-3

Até a próxima! Que venha Ouro Grosso em abril-2017, ai sim voltando a topografar!

UPE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s